Especialista critica lisura do pente-fino do INSS

Escritorio de Advocacia RJ direito previdenciario

Especialista critica lisura do pente-fino do INSS

Período da suspensão das perícias aumenta número de segurados que terão que fazer exame

MARTHA IMENES

Rio – O número de segurados que recebem benefícios por incapacidade e terão que passar pelo pente-fino do INSS saltou de 1,73 milhão para 2,018 milhões de pessoas. Nesse total, o aumento mais expressivo foi de quem tem auxílio-doença, passando de 530 mil para 840 mil, alta de 58,5%.

Isso ocorrerá porque com a perda de validade da MP 739, que instituiu o programa de revisões em 4 de novembro, mais pessoas que estavam em auxílio-doença entraram na regra dos dois anos sem perícia e fez com que a quantidade subisse.

Escritorio de Advocacia RJ direito previdenciario

Escritorio de Advocacia RJ direito previdenciario

Alencar: laudos, receitas e dossiê médico têm que estar atualizadosDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Já o número de aposentados por invalidez teve uma diminuição de 3.075 segurados. De acordo com Alberto Beltrame, secretário-executivo do Ministério de Desenvolvimento Social e Agrário, pasta à qual está subordinado o INSS, com a interrupção do pente-fino em novembro os dados de julho de 2016 foram atualizados e muitos beneficiários que completaram 60 anos de idade neste período ficaram de fora da revisão.

Pagamento dos peritos

A “caducada” da MP 739 garantia o pagamento de R$60 a médicos-peritos por atendimento extra dentro do pente-fino. E sem o pagamento os peritos pararam as revisões extras, conforme publicou O DIA na edição de 15 de novembro.

A Associação Nacional de Médicos Peritos (ANMP) informou, na época, que as perícias ficariam suspensas até que fosse implementada uma nova norma que garantisse o bônus, embora as revisões estivessem previstas no regulamento da autarquia.  A decisão da associação, inclusive, foi duramente criticada.

Naquela data, o defensor público da União Daniel Macedo questionou a forma como o programa revisional foi estruturado e questionou a lisura das perícias. “Os benefícios concedidos pela Justiça não podem ser cortados na esfera administrativa”, advertiu.

E ontem, o advogado Herbert Alencar, presidente da Comissão de Direito Previdenciário da OAB/Barra e membro do escritório de Advocacia RJ Cincinatus e Alencar, corroborou com o que disse o defensor: “O INSS não pode, por via administrativa, cortar benefícios concedidos judicialmente. Se o órgão quer revisar os valores, deve ajuizar ação contra os beneficiários e não revê-los administrativamente no pente-fino”.

Alencar alerta que ao ser convocado para revisão do benefício o segurado deve ficar atento, pois o INSS, ao entender que ele tem condições de retornar ao trabalho, vai cancelar o benefício imediatamente. “O segurado deve manter laudos, receitas e prontuários médicos do tratamento atualizados para apresentá-los. Inclusive que comprovem que ele está em tratamento”, orienta.

Três medidas para uma finalidade

Para retomar o pente-fino com o fim da MP 739, o governo chegou a enviar um Projeto de Lei (6.427) para revalidar o programa e garantir o pagamento aos médicos-peritos, mas o PL entrou e saiu da pauta da Câmara e sequer foi votado.

No início deste mês o governo Michel Temer reeditou uma MP, desta vez a 767, que foi publicada no Diário Oficial da União de 6 de janeiro deste ano.  O teor desta medida é o mesmo da anterior no que diz respeito ao segurado que será chamado para as revisões e exclui quem tiver mais de 60 anos.

Fonte: http://odia.ig.com.br/economia/2017-01-18/especialista-critica-lisura-do-pente-fino-do-inss.html

Escritorio de Advocacia RJ direito previdenciario

Escritorio de Advocacia RJ direito previdenciario

 

Escritorio de Advocacia RJ direito previdenciario

Escritorio de Advocacia RJ direito previdenciario

 

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

x

Escritório de Advocacia Cincinatus e Alencar

Assine nossa newsletter para receber notícias do Escritório de Advocacia Cincinatus e Alencar.